Maluf e Ruan

O forte barulho do motor mágico estava sendo o ápice para que a meditação da Senhora Maluf fosse interrompida. Diversas preocupações sobre os recentes acontecimentos a perturbavam o suficiente para que procurar por resultados e planos fosse mais importante que sua meditação.

A Escriba desce até a oficina da Senhora Abigail, onde Ruan e Bartholomeu trabalham em um estranho baú. O mago artesão, com uma expressão monolitica e cansada, acompanha a entrada dela com o canto dos olhos, e ela se dirige até perto do casulo esverdeado onde a essencia de Khelben Blackstaff é conservada.

- Seu estado continua o mesmo, Senhora Maluf. Creio que vai continuar por toda a eternidade, até que a mágica volte ao normal.

- Pois eu ainda sou da opnião que devemos leva-lo até Outlands, onde a magia independe dessa weave.

- Já disse. Essa idéia é péssima. Grande parte da essência da weave tinha traços muito ligados com esse mundo. Esse estado caótico é justamente essa energia voltando a fazer parte de tudo o que existe. Imagine o que aconteceria caso o levássemos num lugar onde a energia mágica já está ordenada de uma maneira diferente? No mínimo o matariamos. Ele poderia até mesmo ser acometido pelo Gilgul.

- Bobagem. Isso já não acontece a tempos. Você sabe que magos e avatares são um conceito que não se aplica a esse mundo.

- Talvez. Mas Sylla está provando o contrário. Sua mágica está funcionando exatamente como essas antigas escrituras mostram.

Maluf fica em silêncio por algum tempo.

- Então continuaremos inertes?

- Temos a filha de Aly e os outros nos ajudando.

- NÃO PODEMOS deixar tudo isso nas mãos deles.

- Me diga o quanto você tomando o rumo da ação resolveu alguma coisa

-… Isso significa que devemos parar de tentar? Pelo menos alguem está fazendo algo…

- Sim, eu estou. Na verdade estou descobrindo que estes cristais dos constructos são fascinantes, e podem ter sua energia extraida com os devidos cuidados.

- Fique com seus brinquedos e pesquisas sem sentido. Eu vou agir da maneira que melhor me convier.

- Como quiser escriba. Mas alerto que minha primeira experiência bem sucedida foi sobre justamente travar seu casulo nesse local. Sabe, para evitar que pessoas mal intencionadas o levem daqui enquanto Abigail não retorna.

A Senhora Maluf sai da oficina, em direção à cidade, praguejando.

Maluf e Ruan

Loucura e Magia - Obsessão Sophuz