Silly e Samara

(…) Entramos numa sala onde a corrente do vento sobrava de formas diferente, imaginava que conhecia aquela forma de cuidar do vento e desta forma ocorreu. Estávamos entrando numa batalha onde perderíamos um grande aliado, alguém que algum dia foi importante a mim e pouco sei a respeito.

Antes do inicio da batalha contra uma “Samara Diferente” estávamos diante um grande elemental, ambos controlados por uma energia forte e poderosa apenas esperando por ordens.

A batalha inicio-se um cerco de modificações ambientes que ocorriam naquela sala, ou melhor, naquela arena de batalha, cada passo que nosso grupo realizava alguma modificação ocorria, era necessário eliminar a fonte deste problema e a fonte era Samara.

Samara, para muitos porém para alguém como eu que cresceu em meio a caos e subúrbios eu a conhecia como “Mãe”, havia tantas perguntas em minha cabeça que pouco me concentrei na batalha. Ao decorrer da batalha fui enxergando o óbvio, somente eu poderia detê-la.

Com grande bravura toda nossa equipe lutou bravamente contra Samara e o Grande Elemental do Ar, havíamos mantidos forças até nossa ultima gota de sangue, porém a equipe que lutávamos era forte e a cada momento sua força ficava cada vez mais forte. Neste momento após muito sangrar analisei uma abertura em Samara em minha Mãe, era o momento de aplicar meu golpe mais eficaz o “Espelho”. Em um momento de sorte acertei uma eficaz manobra que foi o suficiente para clonar Samara e efetuar seu golpe mais forte em seu alvo. Minha Mãe.

O golpe fez Samara sangrar até que após o movimento do clone a mesma começava a cair no chão. Olhando o acontecimento em minha frente segurando minha sabre, o tempo passou devagar e fui capaz de segurar minha Mãe antes de sua queda no chão frio daquela arena. Aos olhos do Elemental que pouco pode fazer algo, levamos Samara para uma sala segura onde a mesma mencionando meu nome que poucos conheciam e se tornou aberto ao grupo que pertencia, posso dizer “meus amigos” descobriram um grande seguro meu uma vantagem e me perguntaria. Serião os mesmo amigos que de longa data vivencio a me traírem? Seriam os mesmos comigo mesmo sabendo de meu segredo? É difícil conviver com tudo o que passei e o que eu passo segurando cada segredo meu, porém aconteceu, agora basta observar. O 12 havia se tornado Silly.

Neste momento Samara disse que ela não poderia lutar, pois o vinculo com a escuridão estava dominando sua alma. A única pessoa que poderia deter “Ptah Khnemu” era eu com sua ultima esfera. Uma missão importante, salvar o mundo ou não?

Samara antes de realizar o ritual de passagem, queria finalizar sua ida de forma honrosa, com uma luta e assim foi realizado. Eu deveria ser seu oponente, eu deveria provar a ela que eu era digno de continuar nossa luta e nosso aprendizado e me tornar “Um dos Noves, Mestres”.

Lutamos com todas as nossas energias, utilizando todas nossas melhores táticas e manobras e por um golpe certeiro, desapareci nas sombras e acertei Samara pelo coração, o golpe foi certeiro a manobra foi eficaz para parar seu coração e preservar seu corpo.

Solicitei ao Tom o único presente nesta batalha a me ajudar a manter o corpo abençoado para o ritual de ressurreição, pois havia prometido a minha Mãe após olhar em seus olhos e ver seu pedido de desculpa, que não deixaria ela partir sem antes me falar o motivo de ter me deixado e passar todo este tempo sem falar comigo.

Após a batalha, a esfera passada por minha mãe brilhava como nunca antes em minha sabre. Será que terei o mesmo destino por ela esperado? Espero poder ser grandioso o bastante assim como todos em nosso grupo de amizades a manter novamente o equilíbrio em nossas terras.

Silly. (…)

Silly e Samara

Loucura e Magia - Obsessão ArckanXan