Cultos de Alysian II (ou aqueles de quem você deve correr)

Lin -Shaktar e os Transcendentais da Carne

tumblr_nayiv0fDhY1sxobrho1_500.png

“Somente a partir da dor se alcança a perfeição.” Este é o dogma que move um dos cultos mais grotescos deste plano. Estes fanáticos só tem uma coisa em mente, melhorar seu corpo e alma através da mais pura agonia que podem causar a um ser humano, e muitas vezes, à eles mesmos. Acreditam que a dor é nada menos que a fraqueza saindo de seu corpo, purificando o veículo da alma. Procuram a iluminação por meios de sofrimentos carnais, e muitas vezes, devido às práticas, diversos membros acabam sendo levados à loucura pelos anos de agonia a si mesmo e aos próximos. A recompensa, porém, é grandiosa e tentadora, a transcendência das limitações que a dor causa ao vivo.

Tal prática foi ensinada na Era da Grande Guerra por uma entidade chamada Lin-Shaktar, o Lorde da Dor, que utilizava de uma selvagem e apurada prática de extrair poder da dor alheia, chegando a criar magias, encantamentos e uma poderosa droga chamada de Dor Líquida (liquid pain), muito comercializada no mercado negro e arte conhecida apenas por alguns poucos Doutrinadores do culto.

Praticantes da autoflagelação e tortura em terceiros, estes cultistas costumam ter pouca atividade conhecida pelo povo em geral. Em época de recrutamento entretanto, é comum os Doutrinadores, os líderes da seita, adotarem crianças de orfanatos para serem criadas no caminho da dor. Não se deve entender que esse é o único modo de conseguirem novos iniciados, as vezes sequestram viajantes perdidos, ladrões e assassinos para serem levados para a iluminação em seus covis.

É comum cometer o erro de achar que possuem o descaso pela vida, contudo acaba sendo exatamente o contrário. Todos do culto tem plena consciência da importância da vida, sendo que são poucos que morrem, a maioria encontra um destino muito pior. Para a disseminação da palavra de sua divindade, eles torturam seus recrutas e iniciados, ensinam a eles a abraçar e adorar a dor. No começo é sútil, pequenos cortes e palmatórias, porém com o tempo, os iniciados começam a ser torturados com chicotes, açoites e correntes. Esse sistema de indocrinação leva tempo, mas os resultados são assustadores, sempre resultando em um dos dois resultados: O nascimento de um novo fiel, ansioso para a próxima sessão de tortura e auto-flagelação, ou a destruição total da mente do ser, que acabam servindo de exemplo de como um homem que não compreende a agonia é frágil.

Hierarquia
O culto é separado em quatro níveis de comando.

Doutrinadores
Líderes do culto, formam um conselho que decide as próximas ações de seus servos. Ultimamente, este conselho está “recrutando” mais ativamente e procurando novos métodos para converter seus iniciados mais rapidamente. Maxximus, é o doutrinador regente do conselho, e tem conexões com diversas figuras poderosas, um dos únicos do culto que usa magia em sua flagelação, é visto com desconfiança e receio devido a isto. Hoje Maxximus procura magias ainda mais fortes para aumentar sua resolução.

Açoitados
Pessoas de alto nível da seita, geralmente eles superviosionam sessões de tortura em novos recrutas, e são os executores das ordens do conselho.

Fanáticos
Compondo a maior parte da seita, estes cuidam de torturas de iniciados e recrutas, além de torturarem uns aos outros em busca da iluminação. Já são completamente fieis ao culto depois de tanta agonia. Alguns apresentam sintomas de algum tipo de disturbio psicológico, acabam por virar párias do grupo por não serem tão fortes, quanto a deusa da dor deseja.

Recrutas/iniciados
Recrutas dizem respeito a todos que são levados ao culto contra a sua vontade, e iniciados à aqueles que vem de vontade própria, que surpreendentemente, não são poucos. Eles não engajam em nenhuma missão em nome da seita. Passam a maior parte do tempo acorrentados e 3 vezes por dia, junto com suas refeições, são açoitados. Normalmente são o “gado” de quem a Dor Líquida é extraída.

Outros costumes
Estranhamente, os membros do culto se respeitam muito e qualquer ação de desrespeito e humilhação a outro membro da seita é rapidamente punida, não importando o ranking dos envolvidos. Isso é feito pois muitos aspirantes a entrar no grupo são sadomasoquistas e pervertidos, o culto não tem o menor interesse neles e por isso sempre filtra os “candidatos” para evitar este tipo de pessoa, quando detectado, geralmente é expulso ou morto.

Etrom e os Drakuurini

Skull_Queen_Summoning_Storm.jpg

Uma titã seriamente ferida foi levada por demônios ao plano de energia negativa, e estes uma vez lá tentaram sugar a alma dela. Instintivamente ela utiliza a energia do ambiente para se defender, e sua já enfraquecida alma se mistura á maléfica energia local. Nascia Drakka, uma das entidades mais horríveis da história.

Essa experiência fez a ex-titã ficar fascinada pela energia negativa e pelo sofrimento que esta podia causar nos seres vivos. Ainda no plano negativo, se resguardou da grande batalha de Alysian. Lá encontrou os restos de um Atropal e fez um pacto com ele, absorvendo sua essência.

Voltou ao mundo, arrasou uma pequena vila e criou um exército de mortos vivos. Seguia causando o terror, enlouquecendo as raças mais novas e criando maneiras cada vez mais cruéis de matar. Um culto de adoradores da morte se formou ao seu redor, sendo chamados de Drakuurini. Drakka exigia que fosse cultuada como a Senhora da Morte, o que ia contra alguns cultistas elementais. Mas, como estes estavam seriamente enfraquecidos com a antiga guerra e preocupados na recuperação do mundo, não tinham como enfrentar o culto. Drakka se fortalecia cada vez mais.

Lithos, o Rei da Montanha e principal responsável pelos mortos de Alysian, enviou seus mais poderosos servos e elementais, que foram dizimados ou capturados pelas forças de Drakka, que mediante controle mental de alguns Transcendentais da Carne torturou o General de Lithos, de linhagem Titã, por algumas décadas, até que o quebrou e o utilizou para gerar uma Prole, que teria o poder elemental da terra e aumentaria a influência dela.

Porém, o Rei da Montanha soube dos planos dela, e num acordo com Celestiais, Kadoshis e a Chama Púrpura atacaram a fortaleza dos Drakkurini, chamada de Semblance of Suffering. Uma épica batalha se irrompeu, e Drakka foi derrotada, sua armadura de Almas caindo ao chão na cacofonia de mil vozes. O culto de Drakka estava acabado

Atualmente, séculos após essa cruel batalha, o culto começou a ser visto novamente. Sacrifícios horrendos e mortes violentas são relatadas, e o símbolo dos ossos com pontos roxos começou a reaparecer. Seu líder é Etrom, uma criatura de extremo poder que alega ser o próprio filho de Drakka.

Cultos de Alysian II (ou aqueles de quem você deve correr)

Loucura e Magia - Obsessão Sophuz